Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ansião News

As notícias e comentários sobre o concelho de Ansião

Ansião News

As notícias e comentários sobre o concelho de Ansião

Câmara autorizada a alienar Solar das Lagoas

01.12.07, ansiaonews

in:Horizonte,30Nov07

A Assembleia Municipal de Ansião, reunida extraordinariamente

a 9 de Novembro

decidiu favoravelmente aos dois pontos em discussão.

O pedido de autorização da Câmara para adesão à sociedade Agrosicó foi decidido por maioria, enquanto o pedido para alienar/onerar o Solar da Quinta das Lagoas teve parecer unânime dos deputados municipais.

A criação da Agrosicó vai ser destinada a resolver o problema da Coprorabaçal, entretanto mergulhada num vazio, dado os seus gerentes não terem interesse em continuar e que apresenta uma dívida de 125 mil euros. Segundo afirmou Fernando Marques a Terras de Sicó não pode "deixar morrer um investimento por que tanto se lutou e que tanto representa para a região", por isso decidiu criar esta sociedade comercial ficando detentora de 80% do capital, seguindo-se o Município de Ansião com 12%, a freguesia de Santiago da Guarda com 5% e a Coprorabaçal com 3%.

Teresa Fernandes da bancada socialista manifestou preocupação pela dívida criada pela Coprorabaçal e disse mesmo que esta medida parecia "o Presidente da Câmara a lançar a mão a um grupo de amigos", levantando ainda dúvidas relativas a um possível problema técnico-jurídico sobre a participação da Junta de Freguesia de Santiago da Guarda no capital social.
 A afirmação da deputada socialista foi muito mal recebida na bancada do PSD. Ilídio Batista afirmou-se mesmo "chocado com a insinuação de que o Presidente da Câmara estava a desenrascar os amigos". O social democrata afirmou que a marca Rabaçal era "a marca da região" e que independentemente do "enquadramento a ser dado à solução, o problema tinha de ser resolvido". Pelo mesmo diapasão afinaram Bruno Martins e António Cardoso, ambos do PSD, com o primeiro a considerar "inaceitável a alegação de compadrio". Já Luís Lucas (PS) disse que a cooperativa era necessária, mas que não percebia a urgência que levou à assembleia extraordinária.
 Fernando Marques voltou a usar da palavra para "repudiar veementemente as palavras de Teresa Fernandes". Sobre a dívida disse que ela era referente a custos com imobilizado, que ainda é da empresa. Marques referiu o facto de "haverem eleições sucessivas e ninguém querer agarrar na Coprorabaçal" para a tomada de posição da Terras de Sicó, considerando mesmo um bom negócio e garantindo que há produtores privados interessados naquela gestão.
 Mesmo com as questões levantadas, o tema foi levado à votação e aprovado com 5 abstenções da bancada do PS.
 Mais pacífico foi o ponto 2 da ordem de trabalhos. A proposta assentava na cedência do direito de superfície do Solar da Quinta das Lagoas (restaurante, capela e terreno) por 50 anos, pelo preço base de 650 mil euros, posto a concurso público.
 Segundo Fernando Marques a renda actual do imóvel importava em cerca de 500 euros, uma verba que não era minimamente lucrativa para o Município.
 Teresa Fernandes voltou a lançar algumas interrogações sobre imprecisões no tipo de alienação. Luis Lucas, da mesma bancada falou na "obrigatoriedade da Câmara realizar dinheiro pela situação grave que vive, estando para isso a delapidar património com vendas sucessivas".
 Fernando Marques referiu que realmente poderá haver alguma imprecisão sobre a questão levantada por Teresa Fernandes. O autarca referiu que a Câmara "quer ter alguma segurança com este processo", pelo que a proporção da tomada de decisão vai recair em 60% pelo preço e 40% pela qualidade do projecto. O júri será o elenco camarário. Levado à votação, este ponto foi aprovado por unanimidade.