Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ansião News

As notícias e comentários sobre o concelho de Ansião

Ansião News

As notícias e comentários sobre o concelho de Ansião

Ansião: obras obrigam a ultrapassar limites

19.10.07, ansiaonews

Fernando Ribeiro Marques, presidente da Câmara de Ansião, “responsabiliza” o excesso de endividamento, na casa de um milhão e 200 mil euros (referente a uma dívida global de 10/11 milhões de euros) por um conjunto de obras que o executivo municipal tem vindo a efectuar que, sublinha, já vinham de 2005.

 

«Estamos perante obras que, em 2006, implicaram um volume de facturação grande, que as receitas não acompanharam, pois os fundos do FEDER são de 50/60 por cento dos investimentos».
Foram, de resto, estes os argumentos que a Câmara Municipal de Ansião apresentou à tutela, no sentido de justificar o montante da dívida assumida, refere Fernando Ribeiro Marques, «convencido» que o Governo «vai aceitar as nossas justificações». Todavia, não deixa de considerar «preocupante» a possibilidade de avançarem, já em Novembro, as “retaliações” previstas, ou seja, o “congelamento” de 10 por cento das verbas do FEF. Fernando Ribeiro Marques refere particularmente as funções sociais que as câmaras exercem, mormente nos apoios aos transportes escolares e nas actividades extracurriculares, que são assumidas pelas autarquias, quando deveria ser o Governo a acatar.
«Acho que não faz sentido esta retaliação. É bom que estejamos todos preocupados com a redução do deficit, mas não é isto que vai resolver a situação», adianta o presidente da Câmara de Ansião. Aliás, as perspectivas do autarca não se podem considerar muito animadoras, uma vez que as obras que agravaram a dívida apenas estarão concluídas no primeiro trimestre do próximo ano, facto que anuncia um ano de 2007 também complicado em termos de sobreendividamento.

Em causa estão, adianta o autarca social-democrata, obras no valor de «vários milhões e euros» e, com a entrada em vigor da nova Lei das Finanças Locais, «só tínhamos duas soluções: ou parávamos as obras, ou cumpríamos os valores do endividamento». A solução foi a óbvia, refere, ou seja, dar continuidade a empreendimentos que o autarca considera estruturantes para o concelho, como o Centro de Negócios, avaliado em dois milhões de euros, ou a requalificação do rio Nabão, relativamente à qual se somam mais dois milhões de euros, ou ainda a construção da piscinas, estas já em funcionamento, nas quais foram investidos 1.800 mil euros.

In. Diário de Coimbra, 19out07