Sábado, 2 de Agosto de 2008

Maestro Virgílio Caseiro – humildade na excelência

O Maestro Virgílio Caseiro é um lobo do mar que desfia memórias, não através de fios de pesca ou contos de encantar, mas com a batuta de um sábio. Não é tão velho como ‘os mais velhos’ o são na África das tribos com respeito pelas cãs. Nasceu em 1948 em Ansião.
Assumiu a responsabilidade artística da Orquestra de Câmara de Coimbra em 2001 – a partir de 2005, Orquestra Clássica do Centro – sendo seu Maestro Titular.


No dia 3 de Agosto, apresenta um programa ímpar no Palácio Sotto Maior da Figueira da Foz.

Maria João Carvalho para O Figueirense – É um homem de muitos portos e de muitas naus… que faz aqui?

Maestro Virgílio Caseiro - É verdade que sim…a grande vantagem de ser velho – entre os vários inconvenientes que tem – é essa possibilidade que vamos tendo de acumular vida acumulando recordações e, de recordação em recordação, juntamos umas com as outras e acabamos por construir um ‘ideário’ muito nosso, muito pessoal que faz parte de todos e não faz parte de ninguém, com o qual nos sentamos à mesa (nós próprios), com a companhia de nós próprios, construindo projectos que vão nascendo e que nós vamos levando por diante e nos fazem sentir bem com eles. Isso é a universalidade da idade… não é?
E não vejo inconveniente nenhum em ser velho e sinto todo o encanto em poder desfrutar estes anos ao abrigo daquilo que muitas vezes me perguntam e é “quantos anos tenho” e eu digo que “tenho exactamente aqueles que me faltam para morrer”.
E é na conjugação sistemática destas duas verdades que eu, despreocupadamente, vou construindo o meu mundo musical, com a maior seriedade possível, tentando produzir um produto acabado que seja de superlativa qualidade, quase nunca conseguido, e ainda bem, porque a mediocridade daquilo que eu queria que fosse superlativo dá-me razão de ser para o dia de amanhã.
E, portanto, vou tendo este encanto e esta dinâmica de estar comigo e com os meus projectos … possivelmente, do pouco que tenha feito, alguma coisa se pode aproveitar em prol das comunidades da Zona Centro, que é a zona onde, prioritariamente, milito, porque também defendo que não faço falta nenhuma nem em Lisboa nem no Porto… lá há muita gente… há muita gente a poder fazer e eu acho que as pessoas devem ter a lucidez do que valem e para onde caminham e depois devem saber escolher o local para viverem de acordo com o valor que têm e da expectativa das comunidades receptoras. Ou seja: o Bernstein de Nova Iorque era o Bernstein de Nova Iorque e, claro… não podia sair de Nova Iorque porque se saísse ficava subaproveitado – ele estava ajustado à expectativa de Nova Iorque. Eu, por isso, continuo em Coimbra e não faço falta em Lisboa… e no dia em que a expectativa de Coimbra ou da Região Centro – Figueira da Foz… Viseu… - for superior à capacidade de resposta que eu tenho …pois acredite que eu vou deslocar-me para a Pampilhosa da Serra ou de outra terra qualquer, onde eu possa ser o meu Bernstein, à minha dimensão.

M.J.C - O que escolheu para trazer à Figueira?

V.C.- Vimos a este espaço (Palácio de Sotto Maior) a convite da organização, no dia 3 de Agosto, e vamos aproveitar uma clareira entre árvores centenárias para, ao fim da tarde, por volta das sete horas, fazermos um concerto com três cambiantes fundamentais: a primeira: o colorido da orquestra, em que a orquestra vai ser solista… e… depois… outros temas… vamos trazer obras de Coimbra, concretamente, guitarradas de Coimbra, feitas por guitarra portuguesa, acompanhadas por orquestra, e compostas, ou recompostas por compositores que, eu penso, serem de primeira água no panorama composicional português! Estou a lembrar-me do Henrique Carrapatoso, e, exemplo de Sérgio Azevedo e do (infelizmente já desaparecido), Zé Marinho… estou a lembrar-me de um compositor de Coimbra, várias vezes premiado, Zé Firmino Morais Soares… portanto, vamos fazer algumas obras para guitarra portuguesa e para orquestra.
E, finalmente, a terceira vertente é a de temas de canção da zona centro e coimbrã, a que eu não vou chamar fado porque não serão fados, são canções… mas de autores conhecidos: de Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira, que vão ser tocados pela orquestra e cantados por um tenor, que começa agora a despertar na Zona Centro e começa a dar muito boa conta de si, o tenor Nuno Silva, que vai estar connosco para cantar esses temas.

MJC - Pode contar um pouco da história desta orquestra?

V.C. – A orquestra tem a história que todas as orquestras têm neste país. Uma vivência debilitada, uma vivência sempre em contínua possibilidade de desaparecimento mas que, persistentemente, queremos levar por diante.
Apareceu em 2001, pela minha mão e pela mão da actual presidente da Direcção, a Drª Emília Martins – a quem se deve toda a honra do facto da sua sobrevivência, porque tem um dinamismo brutal e uma capacidade de resistência à frustração que eu admiro e que a minha idade (mais uma vez) já não me aconselha a ter, porque desanimo mais cedo…e fruto disso a orquestra, não obstante não ter vindo a ter nenhum apoio oficial do Ministério da Cultura tem vindo, com um orçamento miserabilista em relação às outras orquestras congéneres, a desenvolver um trabalho de militância na Zona Centro, para a qual está vocacionada. E tem vindo a fazer um reportório igual ao que as outras orquestras fazem, simplesmente com o orçamento que temos.
Estou convencido – e nem estou triste por isto nem me estou a queixar – de que as organizações, instituições e associações devem mostrar o trabalho que são capazes de fazer. E depois esse trabalho tem de ser de tal forma objectivo e tem de emergir com tal força no tecido cultural onde está inserido que, depois, nem o ministério da Cultura nem qualquer outro tipo de ministério pode fechar os olhos, tem de os abrir. E, nessa altura, eles estarão connosco tranquilamente para nos apoiar. Continuo tranquilamente à espera de que chegue o meu dia para que isso chegue a uma verdade.
MJC – Porque tem ao peito uma medalha de oiro de D. João IV?

VC – A história desta medalha é como todas as histórias das grandes navegações (risos): o mundo é redondo e as caravelas circundam o mundo…por todas as navegações que fazemos, sejam elas afectivas, cognitivas ou motoras, vamos encontrar portos de abrigo onde nos revitalizamos e onde nos encontramos. Esta medalha, ao fim e ao cabo, sendo do tempo de D. João IV é, digamos, que a lembrança de um porto de abrigo onde encontrei ânimo para outra viagem.
 

Maria João Carvalho - Jornalista da EuroNews

 
Info: O Figueirense, 1 Agosto 08

publicado por ansiaonews às 10:15

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 28 de Setembro de 2008 às 01:31

Maestro Virgilio Caseiro, em Coimbra
Setembro 17, 2008

“A situação descrita não é fantasia, passou-se comigo na Sexta-feira (12.09.2008).
Desloquei-me ao Pavilhão de Portugal (Coimbra) para obter informações sobre as aulas de Expressão Musical ministradas pelo Maestro Virgílio Caseiro, para poder inscrever o meu filho.

Do atendimento efectuado com uma senhora (Directora?), resultou a informação de que não saberiam se o Prof. aceitaria….

Eu retorqui:” O Professor Virgílio não aceita deficientes?” e sai…..

Passado 4 a 5 minutos recebo uma chamada telefónica do Sr. Professor Virgílio Caseiro, Maestro conceituado e respeitado que se disponibilizou a telefonar-me prontamente!!!

Fiquei surpreendida, contudo nos primeiros segundos percebi a intenção…. Descartar-se o mais rapidamente possível de um “problema”, e bastou ouvir esta frase: ” Aconselho a não inscrever o seu filho!”

Obrigada senhor Professor pela Frontalidade. Marketing dissuasor…. Funciona!
O senhor Professor tem um currículo notável com 10 anos de experiência de trabalho com deficientes mentais. (Ver Site Orquestra Clássica do Centro).
No decurso do telefonema fez uma dissertação sobre Trissomia 21 como se estivesse num Congresso como orador e eu fosse o publico dessa plateia.

Eu não sei nada de Trissomia 21, sou apenas uma mãe, e quero o melhor para o meu filho. Pensava eu que poderia encontrar uma boa resposta nas suas aulas. Enganei-me!

Não sou da área, mas sei o que são Pedagogias Musicais.
Fiz dois cursos com o Pedagogo Belga Jos WUYTaCK, que também sita no seu Currículo.

Como o Sr. Professor disse: “O Menino seria um problema para o grupo de 24, prejudicaria o desenvolvimento da aprendizagem, considerando que não acompanharia o grupo”.

Também seria prejudicial para o menino integrar um grupo de crianças “normais” porque elas seriam muito cruéis com a diferença.

Não estava a creditar no que ouvia….Um discurso incongruente, definido nas primeiras palavras.
É duro demais para uma mãe que ao longo de 9 anos tem integrado o seu filho na sociedade como um igual.

Afinal, pergunto eu….quem faz a diferença, quem exclui? São as crianças ou são os profissionais que educam para a exclusão?

Não quero “caridade” como falou, nunca pedi caridade. Quero apenas igualdade de oportunidade. Mas apercebi-me a tempo que nas suas aulas não existe.

Obrigada, por me ter poupado a uma noite ao relento para conseguir vaga para as suas aulas.

Obrigada por me acordar para o preconceito, estamos no Sec. 21 e ainda funcionamos com o preconceito, porque o senhor não me conhece nem conhece o meu filho, mas sabe que è Trissomico e isso basta-lhe para fazer uma dissertação, e exclusão.

O preconceito é uma arma forte, poderosa!

Lamento, que os meus impostos contribuem para o desenvolvimento de projectos com princípios elitistas, desrespeito, intolerância!!!

Bem-haja ás instituições desta cidade e a todos os profissionais e colaboradores que têm uma visão mais alargada e contribuem para a integração.

Bem-haja ao Colégio Santa Maria, ao Clube Náutico de Coimbra, ao ABC dos Tempos Livres, ao Hospital Pediátrico de Coimbra, à Catequese da Paroquia de São José, à Caritas Diocesana de Coimbra, ao Espaço Bolas e Rebolas, ao Agrupamento Marim de Freitas, ao Conservatório de Música de Coimbra, ao Rancho Folclórico das Salineiras de Lavos, e a todas as instituições e pessoas que desde o seu nascimento o tratam como um igual, sem diferença ou preconceito.

Coimbra, cidade do conhecimento…nunca pensei!

Descanse o Sr. Professor e os Encarregados de Educação, não vou inscrever o meu filho, não que me faltem as forças, mas percebi a tempo que o espaço não é para nós………

Seguiremos em frente, a música toca, as cabeças enterram-se na areia, a batuta sobe e o público aplaude de pé. Está tudo certo, a harmonia paira no ar!!!

A mãe

Natércia Mirão”

http://corredor.wordpress.com/2008/09/17/maestro-virgilio-caseiro-em-coimbra/

Comentar post

.Ansião News

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
17
18
19
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.pesquisar

 

.Notícias recentes

. Ana Luísa Bernardino repr...

. As últimas notícias KB (Q...

. ETPSICÓ efectua Acção de ...

. Autora do livro «A Rainha...

. União Desportiva de Santi...

. DR. JOSÉ EMÍDIO MEDEIROS ...

. Dia da ETP Sicó - 16 de O...

. ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS: PSD...

. ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS em 1...

. Associação "Os Moscardos"...

. Conhece a utilidade deste...

. Legislativas 2009, em Ans...

. Fernando Marques, depois ...

. Feira na Torre de Vale T...

. AEDA celebrou dia do Empr...

. ACREP de Pousaflores edit...

. Largada Nocturna nas VII ...

. O Nuno Escapa à Gripe A

. Fernando Marques, preside...

. Hino da Campanha PSD de ...

. JSD celebra início da cam...

. Conheça as propostas ele...

. António José Domingues ap...

. Rui Rocha apresenta compr...

. Factura da EDP (LUZ) : Po...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Março 2003

.Sobre Ansião News

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds